Vale a pena investir em diretórios jurídicos?

Por Juliana Leão*

Essa é uma das perguntas que mais tenho ouvido em reuniões com escritórios de todos os tipos. Para ser honesta, mesmo com toda a vivência nestes anos e, também, considerando opiniões de colegas experientes em Marketing Jurídico, este é ainda um assunto controverso e polêmico. Neste artigo, gostaria de colocar alguns pontos importantes sobre o tema e, posteriormente, compartilhar a minha opinião.

Existe realmente algum tipo de pesquisa?

 Depende. Há diversos diretórios no mercado, sendo que muitos deles são os famosos “caça-níqueis”, como já foi abordado pela consultora Tatiana Cintra em seu último artigo. Então, primeiramente, é preciso separar aqueles que tem credibilidade daqueles que não tem. Este é o início de tudo para os escritório que desejam participar dos diretórios.

Aqueles classificados como confiáveis, possuem sim um método de pesquisa. O que acontece, na maioria deles, é que os pesquisadores não são advogados. Ou seja, pode existir algum tipo de ruído caso a submission (relatório específico do diretório) de um determinado escritório tenha sido mal elaborada (com linguagem técnica demais, escrita de forma confusa, ou não levando em consideração as características básicas para uma boa elaboração). Além disso, pode existir uma certa relatividade entre o que os advogados consideram mais importante e o que esses pesquisadores consideram em termos de tipo e complexidade de casos. Por isso, para ter um melhor desempenho, é importante estreitar o relacionamento com cada uma dessas publicações e tentar entender os seus critérios e o que elas esperam receber de informação.

Qual é o retorno financeiro?

Essa é uma das questões mais recorrentes sobre o tema e muito sensível.

Em primeiro lugar é preciso ressaltar que, apesar de não haver nenhum custo para submeter casos para essas publicações confiáveis, existe um custo interno referente às horas que um advogado utiliza para elaborar uma submission, afinal é o tempo de trabalho dele que está sendo empenhado para outra atividade.

Para isso, recomendamos que o escritório se organize previamente, para evitar usar uma quantidade de horas desnecessária nesta tarefa. Ir separando casos relevantes em um arquivo ao longo do ano, e escolher um advogado com menor senioridade (mas que escreva bem e seja orientado para a tarefa) para ser responsável por preparar o documento da submission, pode ser uma das saídas para este problema.

Outra questão levantada é se potenciais clientes procuram informações de escritórios nesses diretórios. Concordo que geralmente a escolha de escritórios para uma concorrência se dá por indicação ou reputação de uma banca. No entanto, muitas vezes acontece de dois ou mais escritórios terem um nível técnico e precificação muito similares. Então como decidir? Nestes casos, a posição dos rankings nestes diretórios pode ser um fator importante de desempate.

Todos os escritórios devem participar dos diretórios?

 Depende dos objetivos da banca. Por exemplo, para um escritório que atua em um nicho onde clientes internacionais não são relevantes, talvez não faça sentido investir tempo em participar. Mas, vale lembrar que, mesmo assim, os diretórios podem ser utilizados como fator de desempate em uma concorrência.

Em conclusão, mesmo que o investimento em diretórios jurídicos ainda não seja financeiramente mensurável, acredito que eles ainda são relevantes e não devem ser menosprezados pelos escritórios. Claro que este cenário pode mudar daqui há alguns anos, afinal o mercado está sempre em evolução. Mas, no momento, esta é a minha avaliação.

* Juliana Leão é consultora da Markle Comunicação e especialista em Marketing Jurídico.

 Sobre a Markle

Os consultores da Markle possuem mais de 10 anos de experiência em renomados escritórios de advocacia e estão aptos a prestar assistência para as bancas na organização, preparo, revisão e envio de informações para todos os guias e publicações internacionais que classificam, analisam e escrevem sobre o mercado jurídico.

Para obter mais informações sobre marketing jurídico siga a página da Markle Comunicação e Marketing Jurídico no LinkedIn, acesse o nosso Blog e visite o site: http://www.markle.com.br.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: