Arquivo da categoria: prospecção

Marketing your practice: How to attract more clients by positioning your attorneys as “thought leaders”

By David Brooks

The attorneys in your practice are more than knowledgeable; they are thought leaders in the legal field. So why not share their expertise, and market the practice in the process?

Seeking information

People actively seek legal information. Indeed, legal websites are highly popular, books offering legal advice sell well, and television shows like “Law & Order” have found new viewers in repeat syndication.

There is an audience of would-be clients waiting for information and insight from your experts.

As important, there is a community of fellow attorneys interested in exchanging ideas and sharing opportunities. This community serves as a potential audience for your experts, and a source of new clients.

Taking advantage of opportunities

There are numerous ways to connect with others.

Issue press releases. Each time something significant happens at the practice, issue a press release. “While there are no hard and fast rules, the most important factor is that you’ve got to make sure it’s newsworthy and useful to the reader,” says Scott Lorenz, president of Westwind Communications, a firm specializing in law practice public relations and marketing.

Reasons for a press release include a new attorney or legal professional joining the practice, awards or accolades an attorney has received, new practice offerings, new office location, and more. Assuming the news has value, spread the word.

And while you’re at it, make sure you distribute the press release widely. Use an online distribution network, like PRWeb or PRNewswire, but also send your news directly to local newspapers and information outlets. Doing so may result in an article about your practice.

Contribute an article to the local newspaper. A press release may get others to write your story, but don’t overlook offering one of your practice’s legal experts as an author. Choose a hot legal topic, one that an attorney from your practice has knowledge of and can provide commentary on, and approach the local newspaper about contributing an article on the topic. In lieu of payment for the article, ask that a photo of the author and his or her short bio appear with the piece.

Create a blog. A blog at your practice’s website that speaks to client legal concerns can serve as a valuable resource, while generating traffic to the site. It can be written by one or more of the practice’s legal experts.

Contribute to a website. Legal websites and general interest websites that cover legal topics are often seeking credentialed experts to share information. Conduct a search using Google and explore sites that might be a fit for the experts at your practice.

Become active on social media. By joining LinkedIn groups and participating in group discussions, attorneys can showcase their expertise. Encourage them to leverage LinkedIn to share information and ideas, build professional community, and, as a result, promote the practice.

Twitter also offers opportunities for sharing and image-building. Although the practice may already be tweeting, creating separate accounts for attorneys will call attention to these experts as individuals and help to position them as thought leaders.

Present at a webinar. Publishers, media companies, professional associations, and other organizations offer webinars to their members. Webinar presenters generally choose the topic, or at least have a say in the direction it will take. Because webinars tend to get heavily promoted, a presenter gets a lot of publicity. And of course the webinar itself provides exposure.

Speak at conferences. Sure, professional conferences allow for networking. But speaking at a conference provides the ultimate opportunity to be seen—and heard. Like webinars, conferences are heavily promoted, which means your legal expert’s name, photo, and bio will appear in marketing material. This, along with the presentation itself, can generate a great deal of interest.

“Conference speakers enjoy many benefits, including introductions to new colleagues which often result in new business,” says Anna Brekka, principal of Brekka Consulting, a B2B marketing and events planning firm.

Contribute to law journals and legal publications. It’s important to stay connected to the legal community, as colleagues are an excellent source of client referrals. When attorneys from your practice contribute to law journals and legal publications it brings notoriety to the practice, and keeps these experts top of mind in the legal community.

If one of your practice’s attorneys publishes in a prestigious journal or publication, you can build on this recognition by‑you guessed it‑issuing a press release.

Which raises an important point: None of these activities should take place in a vacuum. Issue a press release to announce an upcoming webinar or conference presentation. After the event, use social media to link to the archived presentation. Similarly, link to a published article within a blog post.

Find ways to use as many available outlets as possible to create buzz with attention to the main message: Your practice has dynamic legal experts who are thought leaders. Make people take notice and watch the practice grow.

Fonte/Source: https://www.lawofficemgr.com/marketing-your-practice-how-to-attract-more-clients-by-positioning-your-attorneys-as-thought-leaders/?utm_source=05-31-17-Story4&utm_medium=marketing-your-practice-how-to-attract-more-clients-by-positioning-your-attorneys-as-t

Escritórios de advocacia: quem tem medo de mídias sociais?

Por Juliana Leão*

Um questionamento comum entre os advogados é sobre o risco da presença do escritório nas mídias sociais. É claro que, ao divulgar qualquer marca nestes canais, você abre espaço para a interação direta com o público e, nesta troca, poderá ocorrer comentários negativos. Mas, se você está atento a estas ferramentas e interagir de forma correta, não há o que temer.

Neste artigo, você encontrará algumas dicas sobre boas práticas em relação a esse tema, afinal estar fora das redes sociais já não é uma opção nos dias de hoje:

  • As mídias sociais refletem as atitudes do seu escritório: por isso, em primeiro lugar, é preciso avaliar como é a atuação da banca atualmente – ela oferece um ótimo serviço para os clientes? Tem bons profissionais? Valoriza os funcionários? – Parece básico, mas se um escritório não tem uma boa conduta no dia a dia, certamente ouvirá críticas na redes sociais (e fora delas também).
  • Bom senso é tudo: e não apenas para as mídias sociais, mas para o marketing digital como um todo. Por isso, fazer uma boa curadoria de conteúdo, evitar emitir opiniões pessoais sobre temas polêmicos ou qualquer tipo de postagem que possa ser mal interpretada, é muito importante.
  • Esteja atento às redes: eleja uma pessoa para ser responsável por gerenciar as páginas do escritório. Estabeleça regras como bloquear a postagem direta na página para pessoas externas, quem irá responder às mensagens e comentários, tempo de resposta, entre outras. Não crie uma página somente por criar. É fundamental publicar conteúdo relevante e gerenciar todos os dias.
  • Responda (quase) sempre: não deixe de responder às pessoas que interagirem com a página, seja essa interação positiva ou negativa. Se for positiva, curta e/ou agradeça. Se for negativa, você pode convidar o autor publicamente para discutir a questão de forma reservada – seja via mensagem inbox, e-mail ou telefone. Neste caso, uma reação imediata e o empenho para resolver o problema do reclamante é fundamental. Esta recomendação vale no caso de críticas negativas, não de ataques.
  • Saiba identificar os trolls: são usuários que enviam mensagens inflamadas, estranhas, muitas vezes sem relação ao tema do post nos momentos mais desconexos. Podem utilizar queixas provocativas, palavrões, exposição pessoal de funcionários, entre outros conteúdos agressivos. Estes podem sim ignorados ou excluídos e, em casos persistentes, é possível denunciar os autores para canais específicos para este fim nas próprias mídias sociais.
  • Não apague os comentários (com exceção dos trolls): principalmente antes de solucionar a questão. Após a resolução de um problema, você pode até sugerir ao reclamante para apagar o comentário realizado, mas essa é uma atitude que só cabe a ele tomar.

Para facilitar, é possível seguir uma classificação dos comentários:

  • Nível 1: comentário positivo
  • Nível 2: comentário neutro
  • Nível 3: comentário negativo – responder
  • Nível 4: comentário negativo – ignorar
  • Nível 5: comentário negativo – remover
  • Nível 6: comentário crítico

Clique aqui, e confira uma tabela explicativa que poderá lhe ajudar nesta tarefa.

Seguindo estas dicas, seu escritório pode se aventurar – sem medo – na onda das redes sociais.

* Juliana Leão é consultora da Markle Comunicação e especialista em Marketing Jurídico.

Os consultores da Markle possuem mais de 10 anos de experiência em renomados escritórios de advocacia e estão aptos a prestar assistência para as bancas na organização de eventos internos e externos e na divulgação da participação dos advogados em eventos relevantes para os setores que atuam.

Para obter mais informações sobre marketing jurídico siga a página da Markle Comunicação e Marketing Jurídico no LinkedIn, acesse o nosso Blog e visite o site: http://www.markle.com.br.

Como promover seu evento nas redes sociais sem nenhum custo

Por Priscilla Adaime*

As redes sociais têm um papel fundamental na divulgação de seminários e webinars produzidos pelos escritórios de advocacia. Plataformas como Twitter, Facebook e LinkedIn são excelentes para promover seu evento na Internet. Apresento abaixo 7 dicas para aumentar o engajamento e a visibilidade.

#1 Crie uma hashtag

Crie uma hashtag (#) para aumentar o impacto nas redes, a participação e incentivar a presença do seu público alvo. É importante que a # seja relevante, curta e original.

#2 Use a hashtag

Não adianta nada criar a hashtag e não usar. Promova a hashtag em todos os canais disponíveis (site, comunicados, redes sociais, apps, etc). A hashtag é ótima para engajar os participantes com o conteúdo apresentado e palestrantes. Ela permite que todos acompanhem as tendências do evento em tempo real e recebam feedback relevante no processo.

#3 Tempo é tudo

Quanto antes você começar a divulgar seu evento e sua hashtag melhores as chances de sucesso! Promova antes da data do evento para criar uma sinergia e alcançar uma audiência maior.

#4 Alcance

As redes sociais são uma ótima plataforma para iniciar relacionamentos. Converse com os participantes, palestrantes e perspectivas para deixá-los entusiasmados com o seminário. Mantenha a relevância compartilhando conteúdos relevantes relacionados com os temas que serão abordados em grupos e páginas criadas nas redes especialmente para a divulgação do evento.

#5 Use os participantes como promotores

O uso correto das redes pode tornar os participantes os principais promotores do seu evento. Encoraje-os a compartilhar o conteúdo publicado para aumentar o alcance dos posts. Crie relacionamentos benéficos compartilhando as atualizações de influenciadores do setor e engajando-os a participar das discussões. Os influenciadores possuem seguidores leais e são admirados na indústria que atuam.

#6 Rede de palestrantes

Envolva os palestrantes na promoção do evento. Também é vantajoso para eles divulgar os eventos onde irão falar. Lembre-os que quanto maior o público, maior o alcance da informação que eles irão apresentar. Sempre mencione-os ao compartilhar ou retweetar informações sobre o evento.

#7 Crie desafios

Engaje os convidados antes do evento acontecer. Competições, fatos interessantes e outros conteúdos compartilháveis são ótimas formas indiretas de promover o seu evento. Posts em blogs e brindes são uma ótima maneira de dar prévia do conteúdo do evento. Seja criativo e ofereça descontos.

Priscilla Adaime é sócia fundadora da Markle Comunicação e especialista em Marketing Jurídico.

Os consultores da Markle possuem mais de 10 anos de experiência em renomados escritórios de advocacia e estão aptos a prestar assistência para as bancas na organização de eventos internos e externos e na divulgação da participação dos advogados em eventos relevantes para os setores que atuam.

Para obter mais informações sobre marketing jurídico siga a página da Markle Comunicação e Marketing Jurídico no LinkedIn, acesse o nosso Blog e visite o site: http://www.markle.com.br.

 

Os diferentes tipos de eventos corporativos

Cada vez mais se evidencia o fato de que os eventos corporativos influenciam diretamente na imagem e identidade da organização. Além de comemorativos, eles podem ser elaborados para atingir objetivos específicos e são um excelente canal de comunicação com colaboradores, comunidades, fornecedores, investidores e clientes.

Em uma pesquisa realizada pela Franceschini Análise de Mercado, encomendada pelo MPI (Meeting Professionals International), estima-se que as mil maiores empresas do Brasil realizam, em média, cada uma, 270 eventos por ano. Ou seja, essas ações estão cada vez mais presentes nas organizações por gerarem excelentes resultados.

As empresas que se envolvem em eventos corporativos, podem aumentar a credibilidade no mercado, promover os valores e engajar colaboradores.

Veja a seguir os tipos de eventos corporativos mais comuns:

Workshop

O workshop tem o objetivo de fornecer treinamentos para as equipes. Detalha ou aprofunda um determinado assunto, que pode ser abordado de maneira teórica, mas que contribui para o desempenho prático dos participantes.

Convenção

É um evento que reúne profissionais de uma mesma empresa ou profissionais equivalentes de organizações diferentes. As convenções podem ser de diversos tipos: vendas, lançamento de produto, congraçamento e comemorações.

Seminário

É um evento técnico com tema definido. O número de participantes é limitado e todos devem ter algum conhecimento prévio sobre o assunto. A proposta desse evento corporativo é trocar informações e know-how através de uma lógica simples: apresentação do assunto, discussão sobre ele e conclusão. Um seminário pode ter a duração de um dia ou até várias semanas.

Fórum

É uma reunião realizada com participação intensa da plateia, preferencialmente formada por um grande número de pessoas. A ideia do fórum é sensibilizar a opinião pública sobre determinados problemas sociais. Um coordenador levanta o tema de interesse geral e busca a opinião da coletividade. Ocorre debate livre até que conclusões possam ser tiradas.

Simpósio

O simpósio é um evento de especialistas de alto renome no tema tratado, por isso é considerado um evento de caráter científico. Os participantes geralmente possuem o mesmo nível dos profissionais responsáveis, assim, é feita uma discussão para levantar diferentes visões sobre o mesmo assunto. Pode ser realizado em um ou vários dias com a participação do mediador, que apresenta os profissionais expositores, define o tempo de apresentação e recebe as perguntas que serão respondidas ao final da exposição.

Conferência

A conferência é um evento para profissionais com alta qualificação e vasto conhecimento sobre o tema. É direcionada para um grande número de pessoas em um ambiente confortável e elegante. Este tipo de evento exige a presença de um presidente de mesa para condução dos trabalhos, sendo bem mais formal que uma palestra. As perguntas acontecem somente por escrito e devidamente identificadas, bem no final da exposição.

Independente de qual seja o objetivo de um evento corporativo, é uma ótima oportunidade para reunir pessoas em torno de uma mesma meta: o desenvolvimento da corporação.

Fonte: blog Transamerica Expo

http://www.transamericaexpo.com.br/blog/a-importancia-dos-eventos-corporativos/

Indicação de escritório de advocacia | Tem certeza de que seu cliente está com você?

Você acredita que qualquer um de seus clientes recomendaria seus serviços? Cuidado.

Por Tatiana Cintra*

Li recentemente uma pesquisa da agência americana BTI Consulting Group sobre recomendações de escritórios nos Estados Unidos. E espantosamente, apenas 40,1% dos gestores jurídicos de grandes empresas afirmaram que recomendariam aos seus pares o escritório de advocacia principal que os atende hoje.

Esse é um dado assustador. Por quê mais da metade dos clientes disseram que não indicariam seu escritório de advocacia atual? O quanto o trabalho jurídico, que tem sido realizado, está apenas ok e não maravilhosamente eficiente e encantador para os clientes?

Impressiona que um dos ativos considerado entre os mais relevantes para os profissionais do meio jurídico direito no mercado: a recomendação dos serviços, sinônimo de mais trabalho e novos negócios, esteja tão aquém do que os escritórios de advocacia acreditam.

E a resposta para essa baixa tem um grande fator como responsável: a maioria dos escritórios simplesmente não possui um trabalho efetivo de relacionamento com o cliente, de feedback constante sobre o trabalho e atendimento, principalmente para clientes que realizem solicitações de trabalhos pontuais.

Mas o que os escritórios podem fazer para reverter essa situação? Algumas recomendações:

  • Peça sempre feedback sobre o seu desempenho e de forma igualitária para novos e antigos clientes
  • Abrace novas métricas de atendimento ao cliente. Estabeleça metas de desempenho para si e para o escritório
  • Mude a forma como entrega os serviços, passe a ressaltar o valor do trabalho realizado e o atendimento personalizado das demandas
  • Antecipe-se trazendo ao cliente demandas que impactem em seu negócio, como discussões de novas leis e decisões que possam virar jurisprudência
  • Invista tempo em entender o negócio do seu cliente e aprenda a definir metas que correspondam ao que cliente espera
  • Demonstre claramente ao cliente (com dados) as melhorias no atendimento que tenham sido realizadas ano a ano

Vivemos em um mundo onde os clientes esperam ver que seus escritórios de advocacia estejam em busca de melhorias – o tempo todo. E cada vez mais, cresce o número de escritórios de advocacia que adotam programas de relacionamento com o cliente, buscando trazer a experiência de excelência no atendimento.

Você e seu escritório estão fazendo o mesmo ou engrossam a lista dos 59,9% não recomendados?

 Tatiana Cintra é consultora da Markle Comunicação e especialista em Marketing Jurídico.

Sobre a Markle

Somos a única agência realmente especializada em marketing jurídico, tendo como diferencial um time de consultores com mais de 10 anos de experiência em departamentos de marketing e comunicação de renomados escritórios de advocacia full service.

Realizamos implantação de programa de relacionamento com o cliente, gestão de mailing e CRM, projetos de fidelização, pesquisas de satisfação com clientes, fornecedores e de imagem com pares e formadores de opinião.

Para obter mais informações sobre outros serviços na área de marketing jurídico, siga a página da Markle Comunicação e Marketing Jurídico no LinkedIn e acesse o nosso Blog.

Também estamos com visual novo! Nosso site foi totalmente repaginado. Faça uma visita e confira: http://www.markle.com.br

Marketing | Planejamento de negócios para escritórios de advocacia, auxílio na prospecção e sobrevivência em momentos de crise

Por Tatiana Cintra*

Na economia formal, todo empreendedor precisa elaborar um plano intenções do negócio, estipular metas a curto, médio e longo prazo, estudar o mercado e a viabilidade econômica do que se deseja trabalhar, calcular o investimento a ser feito e realizar um planejamento de caixa para despesas e períodos de baixa. Sem planejamento, negócios que pareciam promissores encerram as atividades.

Para se ter ideia do buraco de quem não faz um bom planejamento, só em 2015, 191 mil CNPJs foram encerrados, ante 232 mil abertos, segundo a Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), com base nos cadastros das Juntas Comerciais de todo o país. Significa que a cada 1,2 negócio que dá início a suas atividades no Brasil, assistimos 1 ser encerrado.

Trazendo essa perspectiva para o meio jurídico, o que temos visto, é uma movimentação de mercado com escritórios que pareciam sólidos diminuírem seu corpo de advogados e sua participação no mercado, sócios trocando de escritórios em busca de espaço, bancas em cisão ou divisão, tradicionais e conhecidos escritórios desaparecendo.

Será que esse mesmo pensamento do famoso “plano de negócios”, tão ensinado pelo Sebrae e escolas de administração, negócios, finanças e marketing por todo o mundo, tem sido utilizado pelos advogados e sociedades para montarem suas bancas, pagarem as despesas e conseguirem fechar as contas no final do mês, com rendimentos do seu trabalho?

A faculdade de Direito ensina todas as disciplinas relacionadas à legislação, o conhecimento técnico para que o profissional possa ser um bom advogado. Mas, ensinar como empreender, montar sua banca, estudar o mercado, captar clientes, se posicionar como profissional no mercado de forma sustentável, esse lado business real e necessário da profissão, infelizmente, não se vê nem uma vírgula sobre.

Planejar que tipo de profissional deseja ser, onde quer chegar, pensar em que mercado atuar e onde e como prospectar, publicitar seu escritório e trabalho, criar uma rede de networking, conhecer quem são os profissionais que atuam na mesma área, como se diferenciar e manter seu escritório saudável financeiramente e com longevidade no mercado jurídico, são algumas das medidas a se pensar e que fazem parte de um planejamento de negócio.

Grandes bancas, estudando a experiência de escritórios internacionais, conseguem investir em equipes de administração, finanças e marketing, bem como em inteligência de mercado, com bons resultados. Com isso, o corpo jurídico se dedica ao trabalho efetivamente jurídico, contando com o apoio e expertise de profissionais para um planejamento sólido da banca.

Agora, essa experiência bem-sucedida, precisa ser aproveitada e capitalizada de forma inteligente também pelas sociedades de médio e pequeno porte e ainda, por advogados que trabalham individualmente.

Com quase 1 milhão de advogados no mercado, planejar e investir em administração e marketing virou questão de sobrevivência. Afinal, ninguém quer abrir um negócio e virar estatística, engrossando a fila de mais um negócio malsucedido e CNPJ encerrado.

Tatiana Cintra é consultora da Markle Comunicação e especialista em Marketing Jurídico. Possui consolidada experiência à frente do marketing de escritórios de grande porte (full service) em São Paulo e de cerca de 10 anos em ações na área de marketing & comunicação, no setor de serviços, comércio e indústria (B2B e B2C).

Cursou Especialização em Planejamento Estratégico, pela London Business School, em Londres, UK (2013). É Pós Graduada em Marketing, pela FAAP (2012) e em Comunicação Empresarial, pela FIAM (2009) e bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pela USJT (2002).

Para obter mais informações sobre marketing jurídico siga a página da Markle Comunicação e Marketing Jurídico no LinkedIn e acesse o nosso Blog.

Também estamos com visual novo! Nosso site foi totalmente repaginado. Faça uma visita e confira: http://www.markle.com.br

 

NO MERCADO JURÍDICO EXISTE ESPAÇO PARA TODOS, EXPLORE INTENSAMENTE O SEU.

Por Fernando Nieto*

Com mais de 20.000 bancas e 822.000 advogados no país, alguns profissionais certamente devem questionar se há ainda formas de se destacar ou de ser percebido? Lógico que sim, há mercado e espaço para todos. Todos nós temos e podemos apresentar algo diferenciado. O marketing jurídico trabalha nessa esfera de evidenciar e impulsionar seu diferencial, apresentando ao mercado seus atributos, reforçando suas qualidades para que a necessidade da compra de serviços jurídicos seja antecipada no receptor.

Tenho escutado muito, inclusive em sites internacionais que monitoram o mercado latino, que existe hoje uma eventual comoditização dos serviços jurídicos no Brasil, ou seja, uma igualdade de oferta de serviços.

Em uma simples definição, significa dizer que, aos olhos de um potencial cliente, não haveria diferença entre serviços X, Y ou Z. E pior, se essa diferença não ficar clara para o cliente, o mesmo certamente irá escolher aquele que fizer a melhor oferta ou jogar o menor preço.

Partindo deste princípio, listo abaixo mudanças de comportamento interno para que esse conceito seja evitado:

Entre seus atuais clientes

  • Procure fazer um trabalho muito bem elaborado, primoroso que tenha sua qualidade percebida.
  • Seja transparente em toda e qualquer tipo de relação com ele.
  • Utilize da clareza nas trocas de informações e dados, tanto internamente como com restante do mercado.
  • Tenha um relacionamento próximo e estreitado, sendo muito bom ouvinte para entender perfeitamente o que ele espera de resultado com seus serviços.
  • Crie canais de comunicação eficazes entre o escritório e os clientes (pode ser por via de informativos, organização de eventos, ou mesmo de forma direta no dia a dia). Ofereça informação relevante que possa impactar seu negócio, preferencialmente de forma antecipada.
  • Ofereça preços justos de acordo com o valor agregado ao seu conhecimento.
  • Apresente inovação, melhore sua infraestrutura de atendimento.
  • Entregue, se possível, algo a mais, algo que surpreenda as expectativas e que termine por deixa-los satisfeitos por terem feito a melhor escolha de escritório.

 

Entre os seus prospects

 

  • Pesquise as necessidades do seu público-alvo e crie serviços moldados.
  • Procure entender o mercado em que atua, se seus serviços estão adequados e quais são as ofertas da concorrência.
  • Pesquise as principais tendências, saia na frente, inove e ofereça produtos que agreguem valor.
  • Idoneidade, boa reputação, histórias de relacionamento, de transparência, de comprometimento e imparcialidade com o mercado somam muitos pontos.

 

Dentro do escritório

  • Conheça suas forças competitivas e trabalhe-as intensamente entre seus funcionários.
  • Invista em tecnologia e infraestrutura.
  • Tenha políticas claras de atração e retenção de talentos.
  • Estude e apresente novas alternativas de cobrança de honorários.
  • Estude novas formas de remunerar sócios e colaboradores, algo que incentive a produtividade.
  • Adote um novo modelo de governança na sua organização.
  • Reavalie sua estrutura de custos com objetivo de produzir mais com menos.

 

“Mudança de Cultura” seria o termo chave para escritórios que buscam fugir da armadilha de seus serviços jurídicos serem visto como commodity. Para garantir perenidade, a estratégia a seguir é aquela que irá contribuir com retornos financeiros, isto é, tornar perceptível seu valor agregado no honorário praticado. A criação de serviços exclusivos seria certamente um bom começo para este novo ciclo.

 

Para obter mais informações sobre marketing jurídico siga a página da Markle Comunicação e Marketing Jurídico no LinkedIn e acesse o nosso Blog.

 

Também estamos com visual novo! Nosso site foi totalmente repaginado. Faça uma visita e confira: http://www.markle.com.br

%d blogueiros gostam disto: